terça-feira, 6 de maio de 2008

HOMEM DE FERRO

“É melhor ser temido ou respeitado? Eu diria é demais pedir ambos?”


"Homem de Ferro", dirigido por Jon Favreau, tem a vantagem de ser um atípico, mas bom filme de super herói. Ou, no mínimo, um filme de super herói que é bom, de uma forma diferente. Possui um roteiro (creditado a Mark Fergus, Hawk Ostby, Art Marcum e Matt Holloway) que prefere dar ênfase a diálogos inteligentes ao invés de frases soltas de efeito, bem como de um elenco de estrelas que aceita o convite dos produtores para realmente atuarem ao invés de apenas gritarem e fazerem pose. Mas há muito disso também no filme. O herói tem que se movimentar; o vilão deve arquitetar planos; a garota deve seduzir e jogar charme. E, também, não poderia deixar de existir um amigo do peito. Essas regras do gênero são tão pétreas quanto os “artificiais” princípios que explicam tudo (o reator em forma de arco, etc.,), bem como o vilão que é careca. Em “Homem de Ferro”, tudo acontece como esperado, na “tentativa e erro” da confecção armadura de ferro, nas diversas tomadas aéreas, nas perseguições e nas lutas.

Ao invés das histórias tediosas, moralizantes e freudianas, geralmente tão comuns neste tipo de filme – trauma de infância, crise de identidade, necessidade de justiça versus desejo por vingança, etc. – “Homem de Ferro” surge de forma mais verdadeira e natural. Embora saibamos que não estamos num mundo real, mas mais próximo a Gotham City ou Metrópolis, deparamo-nos com Tony Stark (Robert Downey Jr.) no desértico Afeganistão, onde ele degusta um uísque on the rocks na boléia de um veículo militar americano. Tony é uma celebridade da mídia, um ex-estudante brilhante do MIT (Massachusetts Institute of Technology) - a melhor universidade de tecnologia do mundo – e herdeiro de uma família cuja companhia fabrica e comercializa armas de última geração. Ele é também um bon vivant e um playboy incorrigível.

Na teoria, o personagem é ridículo, mas uma vez protagonizado por Robert Downey Jr., ele torna-se mais autêntico e familiar - tão engraçado, tão atrapalhado – como um amigo ou velho colega de faculdade. O amigo de Tony é Rhodey, um oficial da Força Aérea americana, interpretado de forma bem humorada por Terrence Howard. A garota é Pepper Potts (Gwyneth Paltrow, também bem no papel), a apaixonada e competente assistente de Tony. Seu sócio e uma espécie de mentor na Stark Enterprises é Obadiah Stane, protagonizado por Jeff Bridges com habilidade, exuberância e, acreditem, com cabeça raspada.

Todos estes são atores de primeiro naipe e o jeito palhaço de Robert Downey Jr., com sua imprevisibilidade emocional, ajuda a dar agilidade e força ao filme. Nesta mistura grande e tumultuada de movimentos desta sinfonia pop há uma série de duetos bem feitos que algumas vezes parecem com uma improvisação e espontaneidade musicais: Robert Downey dançando com Gwyneth Paltrow; com Terrence Howard, bebendo saquê no avião; com Shawn Toub, trabalhando nos protótipos dentro caverna; com Jeff Bridges, lutando numa caixa de pizza. Esses momentos são os mais prováveis de serem lembrados.

A trama é razoável, o que vale dizer à serviço dos atores (e dos responsáveis pelos efeitos especiais), que surgem do nada e algumas vezes esquece-se que estão ali – algum rodopio ou cambalhota parece ser arbitrário ou sem motivo. Isso fica muito aparente com a questão geopolítica que surge muito tênue e passa batida, assim como a crise de consciência de Tony ao descobrir que suas armas são usadas - parece mais uma necessidade narrativa do que um tema a ser discutido do ponto de vista moral.

Tudo isso serve para dizer que “Homem de Ferro”, apesar das duras dificuldades que Tony enfrenta ao se transformar no personagem título, tem suas qualidades. A aparelhagem é impressionante, mas a esse custo, deveria ser melhor. Se com centenas de milhões de doláres temos Batman , Spider-Man e o Hulk à mão, melhor seria ter a certeza que os reatores de arco estejam funcionando bem e que a armadura de liga de titânio e ouro reluza como nova e voe como um pássaro.

Embora os efeitos visuais digitais tentem ajudar o filme, a verdade é que para “Homem de Ferro” eles não fazem diferença. Na verdade, “Homem de Ferro” não tem superpoderes; o heroísmo do personagem é todo artesanal, á base de engrenagens e inteligência aplicada. Essa parte contribui para a tentativa de fazer “Homem de Ferro” um filme melhor. Alguém ficou convencido de que um playboy poderia resistir aos encantos de Gwyneth Paltrow?



Homem de Ferro(Iron Man)
2008 – EUA - 123 min. – Colorido – AVENTURA
Direção: JON FAVREAU. Roteiro: MARK FERGUS, HAWK OSTBY, ART MARCUM E MATT HOLLOWAY. Fotografia: MATTHEW LIBATIQUE. Montagem: DAN LEBENTAL. Música: RAMIN DJAWADI. Produção: AVI ARAD E KEVIN FEIGE, para PARAMOUNT PICTURES e MARVEL ENTERTAINMENT.

Elenco: ROBERT DOWNEY JR. (Tony Stark/Iron Man ) TERRENCE HOWARD (Jim Rhodes), GWYNETH PALTROW(Virginia 'Pepper' Potts), JEFF BRIDGES(Obadiah Stane/Iron Monger), LESLIE BIBB (Christine Everhart), SHAUN TOUB(Yinsen), FARAN TAHIR(Raza), SAYED BADREYA (Abu Bakaar), BILL SMITROVICH (General Gabriel) e CLARK GREGG (Agent Phil Coulson).


Trailer Original:



Assista também:



Um Duende em Nova Iorque

11 comentários:

Miguel Andrade disse...

Realmente é um grande filme pra molecada ver e sair escrevendo qualquer merda elogiosa nos bloguinhos pseudo cinematográficos... Uma tremenda perda de tempo!

Robson Saldanha disse...

Nun fui fã de quadrinhos. Alguns super heróis eu gosto, mas só gosto, fã, não. No entanto esse tá me chamando atenção. É amanhã que vou tirar um tempinho pra vê-lo!

Cecilia Barroso disse...

Jacques, adoro o jeito como você escreve. Parabéns...
Gostei muito do filme, mesmo nunca tendo gostado muito dos quadrinhos. Acho que no final tudo ficou dentro do esperado.
Só não concordei com uma coisa. Indicar Um Duende em Nova York? Detesto esse filme. hehehe
Beijocas

Jacques disse...

Miguel, o filme não é grande, mas sim mediano (ao menos na minha opinião)

Robson, veja e opine. Como falei, nada no filme me surpreendeu de fato. Algumas coisas foram boas, mas nada digno de ficar na lembrança.


Cecília, obrigado pelo elogio, volte sempre, ok? Ah, o "Assista também" é mais uma referência do mesmo diretor do filme comentado, do que uma simples recomendação.Abcs

Ibertson Medeiros disse...

Eu achei uma ótima adaptação para o cinema. Não sou tão fã de quadrinhos, por isso não vou ficar querendo saber se está completamente fiel, mas pelas críticas que li, o filme está sim.
Achei uma boa diversão, diferentemente de Homem Aranha 3, Superman: O retorno, Elektra ou Quarteto Fantástico.

Ibertson Medeiros disse...

E Gwyneth Paltrow está linda no filme.

Pedro disse...

Achei melhor que Homem-Aranha e Quarteto Fantástico, mas ainda perde para o Batman.

Kamila disse...

Jacques, seu texto ficou muito bom! Acho que, no final, o maior problema de "Homem de Ferro" é o seu roteiro. Mas, as falhas que ele possui são completamente mascaradas pelo bom trabalho dos atores e, claro, pelas ótimas cenas de ação.

Pedro Henrique disse...

Trata-se, na minha opinião, de nada mais nada menos que o melhor filme que a Marvel já produziu.

Abraço!!!

Marcel Gois disse...

ainda não assisti "O Homem de Ferro" mas fico mais curioso cada vez que leio sobre o filme. espero não me decepcionar, já ouvi muita coisa boa sobre ele. =D

Jacques disse...

Ibertson, torço para a Gwyneth retomar o rumo de sua carreira...Há atores/atrizes que depois de "Oscarizados" entram em uma curva descendente de forma que surpreende...ela, Halle Berry e outras...

Pedro, na minha opinião não se compara a Spider-man. Acho Batman também superior (depende do Batman, claro).


Kamila, super obrigado pelo elogio.O trabalho dos atores realmente se destaca sobre o resto.Abcs


Pedro, "Homem de Ferro" foi o primeiro filme produzido pela Marvel. Em outros casos, ela licenciou seus heróis para estúdios de Hollywood que terminaram em produções como as séries "Homem-Aranha" e "X-Men" e o filme "Quarteto Fantástico", por exemplo. Abcs

Marcel,

Assista e marque também sua opinião. Valeu!!!