quarta-feira, 2 de julho de 2008

À FLOR DA PELE

“Você percebe as coisas se você presta atenção.”


Su Li-zhen (Maggie Cheung) e Chow Mowan (Tony Leung) interpretam um par casado com outras pessoas, que vivem de aluguel em quartos alugados de um mesmo prédio e descobrem que seus parceiros são amantes. O jornalista Chow e a secretária executiva Li-zhen criam um vínculo de confiança e isso se transforma em um desejo mútuo, com o qual não sabem lidar. “À Flor da Pele” trata sobre a dúvida da lealdade; é um filme muito bonito, com um espírito estonteante, que há muito tempo anda em falta no cinema. As canções de Nat King Cole tocam repetidamente ao longo do filme (isso fortalece o refinamento dos atores). O diretor utiliza o classicismo do cantor alheio à vontade do casal, que constantemente trocam olhares e intenções. Os atores parecem ser observados, à medida que a câmera os acompanha pelas esquinas, corredores e portas. Wong-Kar-Wai “pensa” através das lentes e usa sua habilidade para dar ao filme um tom quente e qualidade extasiante; não simplifica, erotizando cada movimento de sua câmera – algo que talvez muitos poucos sabem fazer hoje em dia. Tudo muito contido, até com certo grau de fetichismo – o estilo e aspecto das vestimentas de Cheung impregnam a tela com grande carga sexual.

O diretor até chegou a filmar uma cena de sexo, mas decidiu não usá-la na versão final. Talvez para não enfraquecê-lo. Se esse foi o motivo, tomou uma decisão acertada, de grande sensibilidade. Essa é uma love story, cuja intensidade deriva exatamente do fato de que nada é explicito e os corpos estão vestidos na maior parte do tempo. Li-zhen veste-se de modo a favorecer seu belo corpo longilíneo e Chow varia suas gravatas para parecer diferente a todo tempo.

A câmera atua como voyeurismo, como de relance, fitando o casal que tem seus relacionamentos em fase de dificuldade. A edição pode às vezes cansar e dar um ritmo muito lento ao filme. Porém, isso é proposital, por conta da melancolia enfrentada pelo casal. Alusivo e amargo, o filme é produto de um diretor que parece trabalhar sobretudo de forma instintiva.

Isso fica evidente na cena em que o filme parece estar chegando à hora da verdade. Li-zhen conta a Chow que sabe que ele tem uma amante e bate em sua cara. Ele a repreende, dizendo que esta não é a forma de agir. A gente se dá conta de que algo inteiramente diferente está acontecendo, e a dor fica ainda mais forte porque esta cena é também sobre uma eventual separação.

Wong Kar-Wai utiliza a música tema para dar o seu tom – não é ouvida no filme – e ele vê esses personagens através de uma miscelânia de "músicas de fossa"”. "O tempo passou. Nada que pertence a ele existe mais" é o que aparece no final. Este filme é um beijo perdido ao longo do tempo; um tempo que somente existe nos filmes, com canções gravadas em mono, com roupas feitas perfeitamente sob medida, etc. O filme é basicamente sobre isso.




"À Flor da Pele" (Fa Yeung Nin Wa)
2000 – HONG KONG - 97 min. – Colorido – DRAMA
Direção: WONG KAR WAI. Roteiro: WONG KAR WAI. Fotografia: CHRISTOPHER DOYLE E MARK LI PING-BIN. Montagem: WILLIAM CHANG SUK-PING. Música: MIKE GALASSO E UMEBAYASHI SHIGERU. Produção: WONG KAR WAI, distribuído pela USA Films.

Elenco: MAGGIE CHEUNG (Su Li-Zehn) TONY LEUNG CHIU (Wai Chow), PING LAM SIU (Ah Ping), REBECCA PAN (Sra. Suen), KELLY LAI CHEN (Sr. Ho), MAN-LEI CHAN (Sr. Koo), TSI-ANG CHIN (Amah), ROY CHEUNG (voz do Sr. Chan) e PAULYN SUN (voz da Sra. Chow).

Prêmios:
Melhor Ator (Tony Leung Chiu)/Festival de Cannes 2000; Melhor Filme de Lingua Estrangeira/British Independent Film Awards 2001.

Trailer Original:


Do mesmo diretor:



My Blueberry Nights

15 comentários:

Hugo disse...

Wong Kar-Wai é um diretor com muito conceito com a crítica, porém ainda não assisti nada dele.
Preciso corrigir esta folha.

Abraço

Louis Vidovix disse...

Kar-Wai é um excelente diretor e esse filme é muito bom mesmo.

Abraço!

Jacques disse...

Hugo, Kar Wai transforma uma história comum em um filme bastante sutil, mas forte. Assista.

Louis, concordamos. Realmente é bom. Abcs.

pedrita disse...

esse foi o primeiro filme que vi do Wong-Kar-Wai e é o meu preferido. eu amo a música nos movimentos da protagonista. obra de arte. amo a quantidade de vestidos que ela usa. fiquei anos sem conhecer outro filme do diretor. vi esse no cinema. mas o telecine cult fez recentemente um especial do diretor e vi alguns. maravilhosos todos. beijos, pedrita

Cecilia Barroso disse...

Sempre me falaram desse filme mas ninguém conseguiu me deixar tão curiosa quanto você.
Realmente, estou perdendo tempo por ainda não ter visto.

Miriam disse...

Fiquei muito interessada em ver este filme. Deve ser bom.
Beijos.

contra-regra disse...

Lúdico, mágico, febril, encantador. Wong-kar wai em sua apoteose máxima. Recomendo Dias Selvagens (eu fiquei extasiado!).

Discutir a Mídia?
http://robertoqueiroz.wordpress.com

Cah disse...

Olá!!
Obrigada pela visita e pelo link!!!
Gostei muito do seu blog e te linkei tbm!!!
Qto a Wong-Kar-Wai, não vi "à flor da pele", mas tive a oportunidade de ver "my blueberry nights", e achei maravilhoso!!
E eu havia reparado nesse negócio da camêra, na maneira que ela a conduz para contar o filme!!!
Até +

Jacques disse...

Pedrita, o Oriente tem produzido bons filmes e a safra de diretores não fica por baixo. Sorte sua tê-lo visto na telona. Eu o vi na telinha. Porém acho que ganha muito na TV por ser um filme intimista. A Cah também parece fã do diretor, pois já embalou em "My Blueberry Nights". De fato é um bom diretor. Beijos.

Cecilia, que bom vê-la de volta. O filme é bom mesmo. E tenho certeza que pelo seu estilo e gosto vai admirá-lo.

Miriam, assita-o. Não irá se arrepender. Beijo.

Contra-Regra. É isso ae velho. Assino em baixo.

Cah, valeu. Tbm virei assíduo do teu blog. Que bacana que tenha visto outras películas do diretor. Esse é de fato um momento feliz de Kar-Wai.Abcs.

Sérgio Déda disse...

Não conheço muito do Wong Kar-Wai, mas todos falam muito bem dele.. Vou assistir Um Beijo Roubado assim que chegar nas locadoras e ver se acho À Flor da Pele tb..

valeu por conferir meu blog cara... te adicionei na minha lista tb..

abraços !

Marcel Gois disse...

Desde "Um Beijo Roubado" que estou pra ver essa trilogia do Kar Wai. Vou tentar ver essas ferias ainda.

Ibertson Medeiros disse...

Primeiro e único filme que vi até o momento do Wong-kar wai.
Grande filme, com grandes momentos e uma excelente trilha sonora.

Jacques disse...

Marcel, veja que não irá se arrpender.

Ibertson, bom filme de uma boa safra de cineastas asiáticos.

Ygor Moretti Fiorante disse...

Demais esse filme, tenho o dvd sempre que posso dou uma olhada, a trilha sonora um tango cantado por nat king Cole em plena Hong Kong tipo meio surreal mas no filme funciona muito bem, sem contar o ritmo que mesmo lento, talvez justamente por ser lento se torna mais belo ainda.

quero muito ver 2046 do memso diretor q estava nos cinemas faz um tempo ja e naum apareceu nas locadoras.

abraço.

Marcus Costa disse...

Sou apaixonado por esse filme! Wong Kar-Wai tornou-se o meu favorito. Gosto especialmente das cenas lentas com a música "Yumeji's Theme" tocando (a com violino). Não assisti ainda a muitos filmes dele, mas é gritante sua genialidade como diretor. É daqueles que marcam a época em que vivem e serão lembrados para sempre.