quinta-feira, 27 de novembro de 2008

MELODIA IMORTAL

“Eu não quero morrer”


Mal o idealista Eddie Duchin (Tyrone Power) chega a Nova Iorque, depara-se com uma péssima surpresa. Fã da banda de Leo Reisman (Central Park Casino), não consegue o emprego que esperava já ter obtido. Ele acaba sendo “salvo pelo gongo” e por uma garota, Marjorie Oelrichs (Kim Novak) que, com sua influência, ajuda-o a empregar-se como músico. Apaixonam-se e casam-se. Logo após dar à luz ao filho do casal, Marjorie morre e Eddie entra num estado de espírito pétreo que dura anos. Eddie segue sua carreira, seu filho cresce e, de volta ao lar após a Guerra, tem dificuldade de relacionamento com o garoto – agora com 12 anos. Quando o entendimento com seu filho começa a harmonizar-se e tudo parece entrar nos eixos – ele casa-se com a babá de seu filho, Chiquitita (Victoria Shaw) -, Eddie começa a sofrer de uma doença degenerativa nas mãos, que os médicos alegam ser incurável.

Em linhas gerais, esse é o enredo da verdadeira história de Eddie Duchin (embora ficcional), um músico que durante os anos 30 e 40 ficou famoso como um leader band. Samuel Taylor, o roteirista, parece ter exagerado nos elementos trágicos. O clima é triste, apesar de existirem momentos de bastante leveza, principalmente na parte inicial do filme, quando Eddie e Marjorie estão juntos. A trilha sonora ajuda a enfatizar esse clima, como na bela seqüência em que o casal passeia pelo Central Park ao som de "I´ll Take Romance" ao fundo.

O diretor George Sidney conduz bem esse melodrama, apesar de algumas cenas parecerem um tanto over, como aquela em que num excesso de entusiasmo ele, durante a Guerra, pega um piano e toca “Chosticks” com um garoto filipino. Porém, a maioria dos números é bacana e muitos dos temas encenados são famosos, como “Noturno”, de Chopin; "Body and Soul”; "Manhattan"; "You're My Everything”; "Let's Fall in Love”; "Sweet Sue"; "Whispering" e outros do repertório dessa época. Com Carmen Cavallaro ao piano, as músicas acabam sendo, na verdade, as vedetes do filme.

Tyrone Power está bem como Duchin, mostrando que ensaiou bem alguns números musicais. Kim Novak está deslumbrante e linda no papel de sua primeira esposa. Victoria Shaw é uma atraente segunda esposa, mas não chega a fazer sombra a Kim. Rex Thompson é muito mimado e enjoado no papel de Peter Duchin o filho de Eddie, mas James Whitmore destaca-se no papel Lou Sherwood.

Este é um melodrama típico dos anos 50. Sentimental, com momentos de alegria e de tristeza, apesar de alguns tropeços. Tem a mão segura de George Sidney que não deixa o tom desandar. Para apreciadores de uma boa música. Melhor momento do filme (e aqui vai um pouco de bairrismo): Eddie tocando "Aquarela do Brasil". Dá orgulho de ser brasileiro.




"Melodia Imortal" (The Eddie Duchin Story)
1956 – EUA - 123 min. – Colorido – DRAMA
Direção: GEORGE SIDNEY. Roteiro: SAMUEL A. TAYLOR, baseado na história de LEO KATCHER. Fotografia: HARRY STRADLING. Montagem: VIOLA LAWRENCE E JACK W. OGILVIE. Música: GEORGE DUNING. Produção: JERRY WALD, para COLUMBIA PICTURES.

Elenco:
TYRONE POWER (Eddy Duchin) KIM NOVAK ( Marjorie Oelrichs), VICTORIA SHAW (Chiquita), JAMES WHITMORE (Lou Sherwood), REX THOMPSON (Peter Duchin aos 12 anos), MICKEY MAGA (Peter Duchin aos 5 anos), SHEPPERD STRUDWICK (Sr. Wadsworth) , FRIEDA INESCORT (Sra. Wadsworth), GLORIA HOLDEN (Duchin), LARRY KEATING (Leo Reisman) e JOHN MYLONG (Sr. Duchin).



Cenas do Filme:


Assista também:



Scaramouche

7 comentários:

Pedro Henrique disse...

Não tenho visto nenhum dos últimos filmes que você comentou, Jack!

Abraço!

Kau disse...

Jacques, não conhecia este diretor. Mas achei interessante a classificação do filme como melodrama, uma vez que adoro isso!!

Abraços e bom fds!

Miriam disse...

Amo este filme e o tenhona minha coleção porque meu pai gostava tanto que adquiriu o LP da trilha sonora.. Minha irmã tem um blog de partituras musicais e comentou este filme e postou a partitura desta música. Lindíssima.
Ótimo trabalho!
Beijos

Miguel Andrade disse...

Jacques, será um dos meus próximos a serem vistos!

Off post: Tô passado com as respostas do e-songs ali ao lado!!!! o_O Pensei que fosse facílimo já que esta música morreu de tocar até no rádio nos 90's...

Sérgio Déda disse...

Bom... nunca vi nem ouvi falar na verdade... mas parece ser ótimo...

abraço

Wally disse...

Deste eu nunca ouvi falar. Mas, pelo contexto, soou intrigante.

Ciao!

Jacques disse...

Pedro esse é um melodrama típico dos anos 50. Vale a pena vc conferir.

Kau, Bem legal sim. Veja-o.

Miguel, depois diga o que achou. Pois é, nem todo mundo pode conhecer tudo ou talvez tenha passado batido pelo pessoal.

Sérgio é bom sim. Tenho certeza que vc vai gostar.

Wally. Intrigante não. Mas interessante.