sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

O FEITIÇO DE ÁQUILA

“Eu te amo! Eu te amo!”


No século XIII, em algum lugar entre Navarre e Anjou, existia uma cidade chamada de Áquila, comandada por um bispo maligno, que havia se apaixonado por uma linda mulher chamada Isabeau (Michelle Pfeiffer). Entretanto, Isabeau amava Etienne (Rutger Hauer), o capitão da guarda do bispo. Quando esse descobre a paixão entre o casal, vende sua alma ao diabo, em troca de que uma maldição recaia sobre os amantes. Desse momento em diante, Isabeau toma a forma de um falcão durante o dia, enquanto Etienne transforma-se em lobo. Ela retoma sua forma humana ao anoitecer; ele, ao anoitecer. Somente no exato limiar entre o pôr do sol e a aurora, eles conseguem de relance vislumbrar o que tiveram no passado. Exilado pelo bispo, vive a cavalgando pelos campos em seu belo corcel negro, com seu falcão (Isabeau) nos ombros, cumprindo-se o que os roteiristas do filme fixaram como a sina do casal: "Sempre juntos, sempre separados”.

“O Feitiço de Áquila” é um belo filme passado na Era Medieval. Parece que custou milhões, mas provavelmente seu custo foi bem inferior do que aparenta. Filmado no norte da Itália através das lentes inspiradas do grande Vittorio Storaro - ganhador do Oscar por “Apocalypse Now” e “Reds” - “O Feitiço de Áquila” enche as telas com belas paisagens e castelos em tonalidades sépia avermelhadas, parecendo envelhecidas. Entretanto, parece-nos um tanto quanto moderno demais para a era que retrata.

Richard Donner, o mesmo diretor de "Superman - O Filme" e os três roteiristas (Edward Khmara, Michael Thomas e Tom Mankiewicz) parecem não ter tido a coragem de contar a história em detalhes – o que é uma pena – pois haveria muito mais a ser dito. O filme possui um bom elenco. Além dos protagonistas, John Wood no papel de um bispo obcecado e Matthew Broderick, como um jovem ladrão (mas bom rapaz) e melhor amigo de Etienne, estão em perfeita sintonia. Todos sem exceção conseguem interpretar seus personagens de forma coerente e firme, conforme o figurino, apesar da falta de poesia ao roteiro.

Matthew Broderick apesar da posterior carreira irregular, mostrava já naquela época que possuía calibre para ser um dos melhores atores da sua geração. Desenvolve seu personagem Phillipe com picardia e graça e, embora algumas de suas piadas nunca pudessem fazer parte de um dia a dia da época – o que é um perigo – ele segura a peteca com inteligência e humor.

O camp Rutger Hauer apesar de ser um cavaleiro rústico, dá pinceladas de requinte ao seu personagem amargurado e perdido e Michelle Pfeiffer, uma das mais belas atrizes da década de 80-90, mostra o porquê vale a pena ser amaldiçoado eternamente. Sua presença – sexy e tremendamente sensual – ilumina tanto a tela que, mesmo quando é representada por um falcão tem-se a sensação de que ainda permanece em cena. John Wood está suficientemente majestoso e maléfico como o bispo e Leo McKern, que interpreta um pároco bêbado – originalmente o responsável pela situação do casal – preenche a tela com estilo.

O diretor deve ter tido dificuldades em coordenar os vários elementos em cena. Seja quando Etienne, ao pôr-do-sol, corre rapidamente pela floresta retirando uma vestimenta que obviamente um lobo não teria; seja quando o falcão transforma-se em Isabeau e surge completamente vestida, embora, na maior parte do tempo, não há nenhuma indumentária feminina à mão.

Cenas de aventura e de forte impacto e esplendor visuais - em particular quando a ave de rapina em vôo rasante sobre um lago, toca as pontas das asas na água – são intercaladas com outras tomadas banais. É o caso em que, num dado momento, no clímax final, uma batalha na catedral de Áquila, Etienne ao reencontrar Isabeau faz o seguinte comentário: “Você cortou seu cabelo”. Apesar deste e outros nonsenses, o filme é belo e muito bem dirigido.




"O Feitiço de Áquila" (Ladyhawke)
1985 – EUA – 121 min. – Colorido – FANTASIA
Direção: RICHARD DONNER. Roteiro: EDWARD KHMARA, MICHAEL THOMAS E TOM MANKIEWICZ, do argumento de EDWARD KHMARA . Fotografia: VITTORIO STORARO. Montagem: STUART BAIRD. Música: ANDREW POWELL. Produção: RICHARD DONNER E LAUREN SHULER, distribuído pela WARNER BROS.

Elenco:
MATTHEW BRODERICK (Phillipe Gaston) RUTGER HAUER (Capitão Etienne Navarre), MICHELLE PFEIFFER (Isabeau D´Anjou), LEO MCKERN (Imperius), JOHN WOOD (Bispo de Áquila), KEN HUTCHINSON (Marquet), ALFRED MOLINA (Cezar) , GIANCARLO PRETE (Fornac), LORIS LODDI (Jehan) e ALESSANDRO SERRA (Sr. Pitou).



Cenas do Filme:


Assista também:



Superman - O Filme

8 comentários:

Fábio L. Rockenbach disse...

Não vejo um absurdo em "você cortou o cabelo" se a primeira coisa que ele repara é a ausência do cabelo longo depois de anos sem ver ela. Mas que seja, você perdeu a melhor fala do filme e uma das melhores do cinema:
- Você é carne, ou é espírito?
- Eu sou tristeza.
Filme da minha infância, marcante.

PS: Desistiu do cinefilia?

Wally disse...

É clássico da sessão da tarde. Bobinho, mas ainda hoje tem uma magia incontestável.

Bela recordação. Dou tres estrelas.

Ciao!

Kau disse...

Jacques, enquanto eu não assisti a este filme, minha mãe não sossegou!!! Achei delicioso, mágigo e sincero. Para o que propõe, é muito em feito, mas tem lá seus defeitos, claro.

Abração!

Sérgio Déda disse...

Nunca assisti ainda, mesmo tendo diversas oportunidades...

Jacques disse...

Fábio, conitnuo achando nonsense. Acho também que há melhores falas na história do cinema. Definitivamente. Abcs.

Wally, é bonito e mágico. Concordo com vc. Abcs.

Kau, sempre sabemos se um filme é bom se formos capaz de assisti-lo mais de uma vez. Este é um caso. Abcs.

Sérgio, assista e vai gostar. Abcs

Fabrício Mohaupt - Tito disse...

Este filme marcou minha infância/adolescência. A história de Navarre e Isabeau falou alto. Michelle Pfeiffer tornou-se uma das minhas paixões platõnicas neste filme, muito antes da sua famosa Mulher-Gato.
É um daqueles guardado com carinho nas prateleiras da memória.

O Cara da Locadora disse...

Esse é um filme que eu tinha gravado, meu irmão e minha mãe eram fãs, rs... Vi em fita, dublado, mas gostava muito, não sei minha idéia sobre ele hoje...

Depois dá uma passada n'O Cara da Locadora, disponibilizamos um calendário de 2009 estilizado com imagens e informações de filmes brasileiros, espero que goste...

Nique disse...

Filme muito bom, ainda mais quando se trata de sessão da tarde... Tem belas cenas, aventura, romance. Vale a pena assistir. =D