segunda-feira, 28 de julho de 2008

A OUTRA GAROTA BOLENA

“Deus, tende piedade de mim.”


Mais conhecida por ter perdido sua cabeça para o rei – primeiro, no sentido figurado; depois, literalmente - Anne (Natalie Portman) e sua irmã Mary (Scarlett Johansson) entram na corte de Henry VIII (Eric Bana), quando ele ainda estava casado com Catherine (Ana Torrent). Um homem com grande apetite e volúvel, o rei ansiava por ter um herdeiro e por tudo mais que usasse saias – desde que não fosse a rainha. Era guiado pela sua volúpia sexual. De acordo com esse pastiche esquisito e frenético – escrito por Peter Morgan e dirigido por Justin Chadwick – as garotas funcionam como se fossem irmãs de algum filme ou seriado de TV (ou ainda Paris e Nicky Hilton) na Corte dos Tudor. Na versão cinematográfica da saga da família Boleyn, baseada no romance homônimo de Philippa Gregory , elas são mostradas como joguetes da ambição de seu pai. Sir Thomas (Mark Rylance) procurava escalar socialmente na Corte às custas de suas filhas e sob a indignação de Lady Elizabeth (Kristin Scott Thomas), a mãe das garotas.

Forçadas a disputar a preferência do rei, as irmãs logo tornam-se rivais, uma competição que, em seus poucos momentos de entretenimento, lembra o amor fraterno de “O Que Terá Acontecido a Baby Jane?” (1962). Uma das biógrafas de Anne, Joanna Denny, menciona que sua irmã Mary, quando na Corte francesa, foi quase uma cortesã. Isso não é mencionado nos livros de História (pelo menos que eu me lembre).

Ao invés de deixar a trama descambar, no entanto, o filme envereda por um caminho mais seguro e previsível, separando as irmãs entre a morena má e a gentil loira, mudando o foco sobre as intrigas na Corte para a disputa entre as duas mulheres. Ana encarou a espada, mas não antes dessa longos passeios e cavalgadas, usar vestidos apertados e provocar rebuliços reais.

É uma proeza fazer algo que seja tão inerte ter uma ação mais frenética. Filmado em vídeo de alta-definição em tom marrom escuro, o filme possui um roteiro frouxo e está supereditado. Muitas das cenas parecem ter sido picotadas, para depois serem transformadas em uma sucessão de gestos e poses. Em face dos diálogos algumas vezes até risíveis, isso não é o pior, em respeito ao trabalho anterior de Peter Morgan, “A Rainha” (2006).

Os olhos de Natalie Portman, as mãos de Eric Bana e as bochechas de Scarlett Johansson estão vigorosamente artificiais e exageradas. Para ver e esquecer.



"A Outra Garota Bolena" (The Other Boleyn Girl)
2008 – EUA - 115 min. – Colorido – DRAMA
Direção: JUSTIN CHADWICK. Roteiro: PETER MORGAN, baseado na obra de PHILIPPA GREGORY. Fotografia: KIERAN McGUIGAN. Montagem: PAUL KNIGHT E CAROL LITTLETON. Música: PAUL CANTELON. Produção: ALISON OWEN, distribuído pela Columbia Pictures e Focus Features.

Elenco: NATALIE PORTMAN (Anne Boleyn) SCARLETT JOHANSSON (Mary Boleyn), ERIC BANA (Henry VIII), KRISTIN SCOTT THOMAS (Lady Elizabeth Boleyn), MARK RYLANCE (Thomas Boleyn), DAVID MORRISSEY (Duque de Norfolk), JIM STURGESS (George Boleyn) e ANA TORRENT (Catherine of Aragon).

Trailer Original:


Do mesmo diretor:



Bleak House

6 comentários:

Pedro Henrique disse...

Com esse elenco feminino eu não vou poder perder esse filme....


Abraço!

Sérgio Déda disse...

Não tinha muito interesse em assistir este filme e continuo sem.. principalmente depois de sue texto rsrs

abraços

Miriam disse...

É um estilo de filme que eu gosto, se tiver oportunidade quer assistí-lo.Gosto de filme de época. Pelo vídeo parece que o figurino é muito rico.
Beijos

Miguel Andrade disse...

Jacques, é mais um daqueles filmes que não vi e já detestei! =))

Jacques disse...

Pedro, o elenco é bom, mas não convence, num filme equivocado.Abcs

Sérgio, não perca o seu tempo.

Miriam, há filmes históricos bem melhores - tenha certeza disso. Bjos.

Miguel, o filme não chega a ser péssimo. É fraco. Só isso. Abcs

Miguel Andrade disse...

Humpf!